subscrever: bloglovin

Lua Adversa de Cecília Meireles

0 comentários

Lua Adversa de Cecília Meireles

Lua Adversa de Cecília Meireles

Lua Adversa

Tenho fases, como a lua.
Fases de andar escondida,
fases de vir para a rua…
Perdição da minha vida!
Perdição da vida minha!
Tenho fases de ser tua,
tenho outras de ser sozinha.

Fases que vão e vêm,
no secreto calendário
que um astrólogo arbitrário
inventou para meu uso.

E roda a melancolia
seu interminável fuso!

Não me encontro com ninguém
(tenho fases como a lua…)
No dia de alguém ser meu
não é dia de eu ser sua…
E, quando chega esse dia,
o outro desapareceu…

Cecília Meireles


Lua Adversa- Cecília Meireles

0 comentários
 Lua Adversa- Cecília Meireles
Lua Adversa- Cecília Meireles

Tenho fases, como a lua
Fases de andar escondida,
fases de vir para a rua…
Perdição da minha vida!
Perdição da vida minha!
Tenho fases de ser tua,
tenho outras de ser sozinha.

Fases que vão e que vêm,
no secreto calendário
que um astrólogo arbitrário
inventou para meu uso.

E roda a melancolia
seu interminável fuso!
Não me encontro com ninguém
(tenho fases, como a lua…)
No dia de alguém ser meu
não é dia de eu ser sua…
E, quando chega esse dia,
o outro desapareceu…

 

Este poema foi retirado do meu site de eleição para partilha de textos ou seja O Citador, se gostam de literatura visitem no aqui.

Para verem outros textos e poemas que já publiquei visitem aqui.


Eu Simplesmente Amo-te – Pablo Neruda

0 comentários

Eu Simplesmente Amo-te - Pablo NerudaEu Simplesmente Amo-te – Pablo Neruda

Eu Simplesmente Amo-te – Pablo Neruda

Eu amo-te sem saber como, ou quando, ou a partir de onde. Eu simplesmente amo-te, sem problemas ou orgulho: eu amo-te desta maneira porque não conheço qualquer outra forma de amar sem ser esta, onde não existe eu ou tu, tão intimamente que a tua mão sobre o meu peito é a minha mão, tão intimamente que quando adormeço os teus olhos fecham-se.

Pablo Neruda, in “Cem Sonetos de Amor”

Para verem mais textos e poemas deste maravilhoso poeta podem visitar o site O Citador aqui!
Tem também outros escritores e textos que para quem gosta de ler e ver citações vai adorar!

Guardar


O mar dos meus olhos – Sophia de Mello Breyner Andresen

0 comentários

O mar dos meus olhos - Sophia de Mello Breyner AndresenO mar dos meus olhos – Sophia de Mello Breyner Andresen
O mar dos meus olhos

“Há mulheres que trazem o mar nos olhos
Não pela cor
Mas pela vastidão da alma

E trazem a poesia nos dedos e nos sorrisos
Ficam para além do tempo
Como se a maré nunca as levasse
Da praia onde foram felizes
Há mulheres que trazem o mar nos olhos
pela grandeza da imensidão da alma
pelo infinito modo como abarcam as coisas e os homens…
Há mulheres que são maré em noites de tardes…
e calma”

Sophia de Mello Breyner Andresen
(encontrado aqui)

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar


Porque – Sophia Mello Breyner

2 comentários

Porque - Sophia Mello Breyner

Porque

Porque

Porque os outros se mascaram mas tu não
Porque os outros usam a virtude
Para comprar o que não tem perdão
Porque os outros têm medo mas tu não

Porque os outros são os túmulos caiados
Onde germina calada a podridão.
Porque os outros se calam mas tu não.

Porque os outros se compram e se vendem
E os seus gestos dão sempre dividendo.
Porque os outros são hábeis mas tu não.

Porque os outros vão à sombra dos abrigos
E tu vais de mãos dadas com os perigos.
Porque os outros calculam mas tu não.

Sophia de Mello Breyner Andresen