subscrever: bloglovin

Se depois de eu morrer – Fernando Pessoa (Alberto Caeiro)

0 comentários

O meu tributo aquele que foi, na minha opinião um dos portugueses que mais reconhecimento deu a Portugal e à sua literatura, e um dos melhores poetas de sempre a nível mundial, e ao qual Portugal nunca deu valor no seu devido tempo; como já vem sendo hábito acontecer em relação a tudo o que merece prestigio e reconhecimento em Portugal e pelos portugueses…
Faz hoje 123 anos, que o poeta nasceu…

Se depois de eu morrer - Fernando Pessoa (Alberto Caeiro)

Se depois de eu morrer

Se depois de eu morrer, quiserem escrever a minha biografia,
Não há nada mais simples
Tem só duas datas — a da minha nascença e a da minha morte.
Entre uma e outra todos os dias são meus.

Sou fácil de definir.
Vi como um danado.
Amei as coisas sem sentimento nenhum.
Nunca tive um desejo que não pudesse realizar, porque nunca ceguei.
Mesmo ouvir nunca foi para mim senão um acompanhamento de ver.
Compreendi que as coisas são reais e todas diferentes umas das outras;
Compreendi isto com os olhos, nunca com o pensamento.
Compreender isto com o pensamento seria acha-las todas iguais.

Um dia deu-me o sono como a qualquer criança.
Fechei os olhos e dormi.
Além disso, fui o único poeta da Natureza.


Todas as cartas de amor são ridiculas – Fernando Pessoa(Álvaro de Campos)

0 comentários

Todas as cartas de amor são Ridículas

Todas as cartas de amor são
Ridículas.
Não seriam cartas de amor se não fossem
Ridículas.
Também escrevi em meu tempo cartas de amor,
Como as outras,
Ridículas.
As cartas de amor, se há amor,
Têm de ser
Ridículas.
Mas, afinal,
Só as criaturas que nunca escreveram
Cartas de amor
É que são
Ridículas.
Quem me dera no tempo em que escrevia
Sem dar por isso
Cartas de amor
Ridículas.
A verdade é que hoje
As minhas memórias
Dessas cartas de amor
É que são
Ridículas.
(Todas as palavras esdrúxulas,
Como os sentimentos esdrúxulos,
São naturalmente
Ridículas.)


Frase de William Shakespeare

0 comentários

“Quando fala o amor, a voz de todos os deuses deixa o céu embriagado de harmonia.” (William Shakespeare)

William Shakespeare

I Don’t Want To Miss a Thing – Aerosmith

0 comentários

I Don’t Want To Miss a Thing

I could stay awake just to hear you breathing

Watch you smile while you are sleeping

While you’re far away dreaming

I could spend my life in this sweet surrender

I could stay lost in this moment forever

Every moment spent with you is a moment I treasure

I Don’t want to close my eyes

I don’t want to fall asleep

Because I miss you baby

And I don’t want to miss a thing

Coz even when I dream of you

The sweetest dream will never do

I still miss you baby

And I don’t want to miss a thing

Lying close to you feeling your heart beating

And I’m wondering what you’re dreaming

Wondering if it’s me you’re seeing

Then I kiss your eyes

And thank God we’re together

I just want to stay with you in this moment forever

Forever and ever

Don’t want close my eyes

I don’t want fall asleep

Because I miss you baby

And I don’t want to miss a thing

Because even when I dream of you

The sweetest dream will never do

I still miss you baby

And I don’t want to miss a thing

I don’t want to miss one smile

I don’t want to miss one kiss

I just want be with you

Right here with you, just like this

I just want hold you close

Feel your heart so close to mine

And just stay here in this moment

For all the rest of time

I Don’t want close my eyes

I don’t want fall asleep

Because I miss you baby

And I don’t want to miss a thing

Because even when I dream of you

The sweetest dream will never do

I still miss you baby

And I don’t want to miss a thing

I Don’t want close my eyes

I don’t want fall asleep

Because I miss you baby

And I don’t want to miss a thing

Because even when I dream of you

The sweetest dream will never do

I still miss you baby

And I don’t want to miss a thing

I Don’t want to close my eyes

I don’t want to fall asleep

I don’t want to miss a thing


O que há em mim é sobretudo cansaço – Fernando Pessoa (Álvaro de Campos)

1 comentário

 

O que há em mim é sobretudo cansaço

 

O que há em mim é sobretudo cansaço

Não disto nem daquilo,

Nem sequer de tudo ou de nada:

Cansaço assim mesmo, ele mesmo, Cansaço.

A subtileza das sensações inúteis,

As paixões violentas por coisa nenhuma,

Os amores intensos por o suposto alguém.

Essas coisas todas –

Essas e o que faz falta nelas eternamente -;

Tudo isso faz um cansaço,

Este cansaço, Cansaço.

Há sem dúvida quem ame o infinito,

Há sem dúvida quem deseje o impossível,

Há sem dúvida quem não queira nada –

Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:

Porque eu amo infinitamente o finito,

Porque eu desejo impossivelmente o possível,

Porque eu quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,

Ou até se não puder ser…

E o resultado? Para eles a vida vivida ou sonhada,

Para eles o sonho sonhado ou vivido,

Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto…

Para mim só um grande, um profundo,

E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,

Um supremíssimo cansaço.

Íssimo, íssimo. íssimo,

Cansaço…